Notícias Universo da Cerveja

Estamos de olho: vacilo no IG

Escrito por Carlos Lara
SEGUIR NO INSTAGRAMPowered by Rock Convert

Cerveja artesanal está em pauta, a cada semana, a cada dia, sai uma nova matéria. Porém, como se sabe, o tema ainda é novo para a grande maioria das pessoas, inclusive os jornalistas em questão. Como somos uma forma de mídia especializada no tema, sempre que houver distorções ou informações erradas vamos trazer à tona como forma de esclarecer e ao mesmo tempo torcer para que os autores nos encontrem e vejam o erro. Esta prática já havia sido feita algumas vezes quando éramos blog. Após a sugestão do amigo e leitor Mauro Lustosa de que não se deixasse passar em branco informações incorretas, voltamos a investigar o que sai na imprensa sobre o tema. Sempre que preciso, colocaremos este selo ao lado e falaremos sobre o assunto.

 

A primeira matéria a ser comentada será a que saiu no IG ano passado, mas que só agora lemos. O texto está bem escrito e interessante, como podem ler, mas o infográfico e a receita são de matar. O pior é que sites relevantes como estes propagam informações erradas a muita gente. 1.364 outras pessoas recomendam essa matéria pelo Facebook, infelizmente. Olha como eles publicaram a receita:

Ingredientes
– 35 litros de água mineral de boa procedência
– 6 quilos de malte claro e escuro
– 20 gramas de lúpulo
– 11,5 gramas de fermento

 

Interessante imaginar o cidadão que lê essa matéria e resolve fazer uma cerveja a partir desta receita. 6 quilos de malte claro ou escuro? Assim, aleatoriamente?! Uma cerveja genérica, sem estilos, como qualquer malte, lúpulo ou fermento. Imaginem o que pode acontecer se a pessoa resolve usar só malte escuro para fazer uma cerveja preta?! Pois é, não sairia nada, pois o malte claro, mesmo em cervejas escuras, deve ser pelo menos 70% da receita. Agora, o mais legal é a água de boa procedência. Quer dizer o que, que ela deve ter vindo de uma fonte legal? Hum, já sei! A nascente é na propriedade de uma família feliz. Se tiver um filho adolescente problemático aí já não serve…

Segundo vacilo: no infográfico, segunda etapa. Lá diz que a temperatura da brassagem vai entre 65 e 72 graus. Esta é apenas umas das faixas de temperatura trabalhadas, mas existem várias, que podem começar lá na casa dos 45 graus, dependendo do estilo em questão.

 

Já na terceira etapa, o IG sugere filtrar com uma peneira. Bem, talvez isto dê certo, mas não conheço ninguém que tenha tentado isto. Deve ser, no mínimo, curioso, fora que perde-se muito em eficiência ao não recircular o mosto e usar os grãos como elemento filtrante. E uma pale ale com lúpulo só pra amargor? Não me chame para provar! O lúpulo para aroma e sabor deve ser adicionado com menos de 30 minutos para o fim da fervura, o que esta receita ignorou.

 

A quarta etapa também é meio estranha, pois colocar uma panela a 100 graus recém saída da fervura numa bacia de gelo, convenhamos, não vai reduzir a temperatura tanto assim, uma vez que o gelo derreterá em instantes. Senão, haja gelo para resfriar a panela… Normalmente, utilizamos chillers, que são serpentinas que passam a água fria por dentro da cerveja, trocando calor.

 

Na quinta etapa manda adicionar água até chegar no volume desejado. Ou seja, sabe-se Deus qual a densidade dela e qual estilo estamos produzindo. Vamos apenas rezar para que tenha algo a ser fermentado! Se bem que, em 14 dias, deve ter bastante coisa rolando lá dentro, ainda mais com uma temperatura aleatória e um fermento aleatório… Ou seja, parece que o cervejeiro que optar por esta receita precisará, sobretudo, de sorte.

 

Claro, na sexta etapa, acontece uma carbonatação quase como a concepção de Jesus, sem que o fato seja consumado. Afinal, é só tirar a cerveja, envasar e ela, magicamente, refermentará na garrafa! Não precisa de nenhum alimento para o fermento que já terminou de consumir tudo que devia durante a fermentação. E, bom lembrar, eles esqueceram de uma parte importante que é a maturação. Após a fermentação é reduzida a temperatura para que a cerveja seja arredondada e tenhamos um resultado final melhor.

Resumindo, esta matéria é uma forma muito simplificada de como fazer uma cerveja, com muita imprecisão e erros. A pessoa que, desavisadamente, quiser seguir estes passos produzirá algo bem estranho e muito provavelmente vai desanimar com o resultado obtido após tanto esforço. Estamos de olho no que acontece na mídia sobre cervejas. Se encontrar mais matérias como estas, mande para a gente que comentaremos e tentaremos explicar como as coisas são de fato.

aprender a fazer cerveja em casaPowered by Rock Convert

Sobre o Autor

Carlos Lara

Marketeiro e Sommelier de Cerveja. Criei a minha paixão pela cerveja há um tempo, principalmente vendo jogos de futebol e hoje escrevo conteúdos sobre diversos assuntos nas horas vagas.

8 Comentários

  • Imagino como a fonte dessa matéria ficou quando viu o resultado… (não sei se foi o Philip Zanello, então não vou chutar).
    Isso acontece direto comigo, passo 3 horas em uma entrevista sobre algum ataque a empresas ou um novo virus e, quando vejo o resultado, está super simplificado e não passa a gravidade do problema corretamente.
    Enfim pode ser pressa dos caras para publicar o quanto antes, não sei.
    Mas ainda assim acho que quem quiser fazer cerveja não vai seguir esse guia. 😛

  • Faltou creditar o mestrecervejeiro que passou a receita para a repórter do IG, lá consta como Jaime Pereira Filho, o autor da proeza… tem até o tel dele… vale uma entrevista ein!!!

  • Mas é assim mesmo que suas cervejas são feitas, porém tem primming sim, segundo ele são 2 sachês de açúcar (aqueles de por no café) adicionados diretamente na garrafa de 1 litro de cerveja.
    Vale uma entrevista com o cara para entender de processo também, pois a brassagem toda dura 3,5h, seria ele um gênio?
    att
    Eduardo

  • Eduardo, vc bebeu alguma cerveja deste cara? Confesso que tudo isto é muito estranho, pois é tudo aleatório. Malte claro ou escuro? 20g de qualquer lúpulo? Mt doido, se ficar realmente bom feito em 3h o cara é um gênio, quero autógrafo dele!!!!

    Quanto à mídia, de fato é comum o jornalista dar uma “simplificada” nas coisas para os leigos entenderem. Mas se fazem sem conhecimento nenhum de causa tem resultados muito esquisitos e prestam um mal jornalismo.

  • Concordo com a análise e está muito bem feita, só acho que devemos ter cuidado para não passar a imagem de arrogantes e donos da verdade. Talvez uma correção dos erros de forma mais neutra vai ser mais útil àqueles que buscarem orientação por aqui.
    Parabéns pelo site.

  • Ainda bem que não vi está matéria no site da IG, estou começando agora a produção de cerveja e se pego uma receita desta e resolvo fazer, é melhor tomar caldo de cana na barraca de feira com pastel, pois pode sair qualquer coisa daquela mistura menos cerveja, ainda bem que tem o pessoal da acerva pra ajudar quem tá começando e quer fazer algo que se destaque, obrigado e parabéns!

Comentar