Roteiros

Visita à Schincariol, em Cachoeira da Macacu-RJ

Escrito por Carlos Lara
SEGUIR NO INSTAGRAMPowered by Rock Convert

Quando, ao lado José Padilha e do Armando Fontes, criamos um cadastro de blogs cervejeiros, o objetivo primário era se facilitar o contato entre eles e que pessoas do fora os pudessem achar.

E o primeiro fruto disto foi o contato feito com o marketing da Schincariol para que diversos blogs cariocas visitassem a fábrica de Cachoeiras de Macacu. Dia 25 de fevereiro, Jayme (Taberna do Mamute), Bruno (Papo de Bar), Padilha e eu (respectivamente da esquerda para a direita na foto ao lado) fomos conhecer o local onde são feitos diversos produtos da linha da empresa, incluindo os chopes do Devassa.

Como era um grupo de pessoas ligadas à cervejas especiais, o foco da conversa ao longo do dia foi esse, e, claro estávamos mais interessados em ver como é produzida a linha Devassa Premium, como a Schin chama. Mas logo de cara, se deparar com o tamanho do tanque fermentador deles é algo que nos faz pensar. Com mais de 1 milhão de litros de cerveja de capacidade, cada tanque é maior do que a produção anual da maioria das cervejarias artesanais. E isso considerando que a planta visitada não é das maiores. Para se ter uma idéia, a produção mensal da Backer gira em torno de 150 mil litros, e a da Falke fica na casa dos 12 mil. Mega é pouco para o tamanho da produção destas cervejarias.

Na parte da manhã, fomos apresentados ao universo da Schincariol e toda sua linha de produtos. O João Martins (de frente na foto acima) e a Jaína Camargo (fotógrafa no momento) debateram conosco diversos temas ligados à cervejas do portifólio, que inclui marcas como Eisenbahn, Baden Baden e a Devassa. Eles saíram lá da sede, em Itu, para estabelecer este contato direto, o que é um indicativo de que blogs e mídias eletrônicas estão ganhando destaque até para grandes empresas. Os dois foram muito atenciosos, respondendo à todos os questionamentos, mesmo os mais maliciosos (afinal, este é o nosso papel). Ficamos com a sensação, mais forte ainda, de que a qualidade das cervejas especiais foi mantida após a aquisição, e a tendência é que continue assim, o que é uma ótima notícia. A esperança é que as Eisenbahn cheguem com mais freqüencia ao mercado carioca. a justificava para a escacez é que ao ser comprada pela Schin, a rede de distribuição foi muito ampliada, enquanto a produção se manteve semelhate. É uma pena, pois é a cerveja artesanal com melhor custo-benefício do Brasil.

Após o almoço, fomos para o que interessa. Mas não sem antes estarmos totalmente paramentados para a visita à linha de produção. As normas de segurança e o padrão de qualidade da empresa é visível.

Na planta, fomos guiados pelo mestre-cervejeiro Ernani, que era o aniversariante do dia. Vendo nosso conhecimento e interesse, ele se animou e nos levou por dentro da planta, onde pudemos tomar o chope loira, da Devassa, e o Sarará (trigo) ainda não filtrado, uma oportunidade para poucos. O Sarará é uma weissbier bem feita, o chope mais interessante dentro do seus estilo da linha Devassa Premium. Lá dentro não podia tirar fotos, mas a diferença das plantas são imensas, sendo a planta da Devassa parecendo de brinquedo. E olha que ela tem uma capacidade de brassagem de 2.000 litros, muito grande para o padrão das micro-cervejarias nacionais. O Ernani também fez questão de diferenciar os produtos, mostrando que a produção das cervejas comerciais, no caso a Bem Loira, Nova Schin e Cintra são focadas em padrão de qualidade rígido, e alta capacidade de giro. E a “nano” cervejaria é onde ele brinca de fazer cervejas, experimenta diferentes processos. Uma coisa que chamou muita atenção é o momento da lupulagem na gigantesca tina de brassagem, com um aroma que contagiava, por alguns instantes, toda a fábrica. Mas não era para menos, pois imaginem a quantidade de lúpulo que se coloca em 500 mil litros de cerveja.

Depois de um banquete de petiscos na saída da cervejaria, fomos convidados para o Devassa do Leblon. Lá se juntaram alguns outros blogueiros que não puderam estar presentes na visita, como o Leonardo Botto e o André, do blog Feijoadas Cariocas.

Foi um dia muito bom, que nos faz pensar várias coisas:

– o que significa meu reles baldinho de 20 litros de fermentação perto de tudo aquilo?

– como é complexo o processo de uma linha de produção de altíssima quantidade!

– e para terminar, afinal, por que a Devassa Índia não é mais lupulada? Segundo o gerente, quase ninguém pede pois acham ela muito forte. Então, por que não meter a mão logo no lúpulo e ganhar uma legião de fãs? Fica a dica e o desejo de um apaixonado por amargor, fã de IPA.

Seja um correspondente Homini LúpuloPowered by Rock Convert

Sobre o Autor

Carlos Lara

Marketeiro e Sommelier de Cerveja. Criei a minha paixão pela cerveja há um tempo, principalmente vendo jogos de futebol e hoje escrevo conteúdos sobre diversos assuntos nas horas vagas.

5 Comentários

  • Olá!! Fiquei muito contente de achar o seu blog na net e poder ler a matéria da visitação feita aqui na Unidade de Macacu. Não sei se você lembra mas eu sou a responsável pelas visitações que acompanhou vocês durante o passeio.
    Espero recebê-los mais vezes.

    Abraços.

  • Claro que lembro, uma pessoa feliz por ver todos bebendo e não poder tomar um gole! hehehe

    A visita foi muito boa, sempre indico para quem quer conhecer uma grande cervejaria.

    abraços,
    Bernardo

  • Boa noite Meu nome é robson eu gostária de conhecer a schin cariol pois estou cursando microbiologia e essa visitar iria contribuir muito para minha formação e quem sabe se eu tiver a oportunidade de conseguir um estágio com a familia schincariol.
    abraços

  • Bom dia a todos eu tive a oportunidade de visitar a família Schincariol no dia 1/9/12 e confesso que fiquei simplesmente maravilhado, achei interessantíssimos a produção da cerveja que eu consumo a matéria prima…falo por mim e minha equipe de Técnico Segurança do Trabalho…fomos recepicionados pela Viviane Villas Boas uma pessoa que se mostrou ser mto atenciosa simpática conosco…gostei

    Estou aguardando as fotos carloshenriq_silva@oi.com.br

    Obrigado!

  • Grupo Afro Cultural e Recreativa Imale Ifé
    Fundado em 11-03-1990 (Sede Provisória )
    CNPJ:36.066678/0001-14
    Rua: João Alves Torres Filho -Vila Leopoldina IV CEP. 25060/280
    Tel.(21) 68153201-Juraci / (21) 68681209 -Evaldelina (Val)

    Utilidade Pública Lei Nº 2.217

    Oficio nº0056
    Do Grupo Afro Cultural e Recreativo Imale Ifé para a Cervejaria Schincariol
    Assunto: Apoio Cultura para o evento
    A/C: Do Departamento de marketing

    1º Encontro de Blocos Afros e Afoxés do Município e Estado do Rio de Janeiro em Duque de Caxias

    O Grupo Afro Cultural e Recreativo Imale Ifé vem através da sua Diretoria solicitar o apoio cultural para o evento acima mencionado, que será realizado no dia 09 de Janeiro de 2016 na Praça do Pacificador Teatro Raul Cortez da boca pra fora com inicio as 14:hs e termino as 22:hs com o apoio da FEBRJ e a LIGA dos Blocos Afros.

    O projeto será enviado após a resposta.

    Por favor não nos deixe esperando a resposta.

    Certo do sucesso desta parceria colocamo-nos à disposição para maiores Esclarecimentos

    Atenciosamente

    Juraci Antônio Costa Barbosa
    Presidente do Concelho Deliberativo

    Evaldelina Marciana Julho Barbosa
    Coordenadora Geral do evento
    E-mail: bandaafroimale@yahoo.com.br

Comentar