Cultura Opinião

Saúde! Salud! Santé! Cheers! Prosit! Salute!

Escrito por Carlos Lara
SEGUIR NO INSTAGRAMPowered by Rock Convert

O brinde é, por definição, o ato de beber a saúde de alguém. Em diferentes culturas e civilizações, as pessoas confraternizam e comemoram bebendo, sendo esta uma antiga tradição dos homens.

 

Nos acontecimentos mais importantes da vida das pessoas sempre há um brinde. Em almoços e jantares íntimos, casamentos, batizados, vitórias, pelas amizades ou mesmo por momentos simples de alegria, as pessoas costumam pedir algo para beber, levantar os copos e saudar-se antes de, com saliva na boca e com felicidade no coração, dar o primeiro gole.

 

Ahhhhh! Que maravilha! Nada poderia ser me…

 

-Cruzes! Que bebida é essa amarga assim??? Não! Peraí! É meio frutada! Puuuxa… defumada?!?!? Céus, agora embolou o meio de campo todo. Que líquido é esse, que com tantos meandros é capaz de enganar um maravilhoso paladar que identifica notas amadeiradas de carvalhos da Ásia tropical?

 

Esse, meus caros, é a cerveja.

 

Esta aí uma bebida que não tem restrições quanto à aromas, cores, texturas e até, pasmem, temperatura. Isso mesmo, nem toda cerveja, “inha” ou “ona”, precisa estar “estupidamente gelada”. Aliás, viajando na maionese, nesse país de tanta diversidade racial, numa época de misturas, pra quê restringir-se apenas às claras ou escuras? O bom é experimentar o diferente, o inusitado, o único. E isso, sabe-se desde a época que inventaram a tal revolução industrial, ficou para trás. O único não importa mais. Agora vale a quantidade. Um montão. Tudo igual.

 

Necas de pitibiribas! Nunca tivemos tanta oportunidade de provar diferentes cervejas como agora. Crescem as casas especializadas em cervejas artesanais e não é difícil encontrar um fulano que fez sua cervejinha em casa e agora vai ali, com suas garrafas, beber com os amigos. Dúvida? Dá um Google aí e confere!

 

Para os brasileiros mais exigentes no quesito paladar, essa nova fase da cerveja nacional tem sido a glória. E ela é mais popular mesmo, diga-se a verdade. A diferença é que agora podemos escolher. E isso é muito bom. A isto, um brinde!

 

-Então posso encher a lata?

 

Não deve. O bom mesmo é beber cerveja de qualidade. Todo mundo sabe que tudo em excesso nessa vida não faz bem. Dizer que é bom pra isso e ruim pra aquilo ainda envolve incertezas.  Na indefinição sobre os prós e os contras uma certeza existe: saudável é ser feliz!

 

Saúde!

 

Por: Paula Bortolon, Farmacêutica-sanitarista e apreciadora de #cervejadeverdade (post participante do Natal Lupulado 2011, concorrendo a uma Wäls Brut)

Sobre o Autor

Carlos Lara

Marketeiro e cervejeiro de buteco. Criei a minha paixão pela cerveja há um tempo, principalmente vendo jogos de futebol e tomando uma boa cerveja com o meu pai, e hoje escrevo conteúdos sobre diversos assuntos nas horas vagas.

13 Comentários

Comentar