Cerverja Corona: a história da mais vendida do México!

Quando você vê a imagem de uma garrafa de cerveja com uma rodela de limão enfiada na boca, você sabe automaticamente que se trata de uma Corona, campeã de vendas, principalmente no México e Estados Unidos, com as cervejas Corona Extra e Corona Light.

E atualmente é uma das cervejas mais vendidas em todo o mundo, associada sempre às praias, e rivalizando com a Heineken, que é associada ao ambiente urbano, como cidades, esportes e vida noturna.

Hoje contaremos mais sobre as origens da Corona e curiosidades dessa cerveja que cada vez mais encontramos em bares, restaurantes e supermercados do país.

As origens da Corona

O seu nome diz muito sobre a sua origem, corona é uma palavra em espanhol que significa “coroa”, símbolo presente no rótulo da cerveja. 

Como muitas das receitas de cerveja que chegaram às Américas, mais particularmente aos Estados Unidos, a Corona veio por meio de turistas americanos que viajavam o México em busca de praias e belezas tropicais, como Acapulco e Puerto Vallarta.

Sua receita original, uma cerveja Pilsen de origem alemã, já que a maioria dos cervejeiros da época eram imigrantes alemães. Ela surgiu pela primeira vez em 1925 como uma cerveja pilsner no Grupo Modelo, que era e ainda é a maior cervejaria do México, com cerca de 60% do mercado nacional e que desde 2012 pertence ao conglomerado de marcas ABInbev

Nos anos seguintes, o Grupo Modelo cogitou armazenar a cerveja em garrafas escuras em uma tentativa de preservar e melhorar o sabor da cerveja. 

No entanto, eles tomaram a decisão sábia de colocar a cerveja em garrafas claras e transparentes, que possuem um formato particular e se tornaram um símbolo lendário da empresa, e também são um dos segredos para o sucesso da Corona.

Características da Corona Extra

Uma cerveja leve, do estilo American Lager e muito parecida com as “cervejas de massa” encontradas pelo nosso país, como a Skol Puro Malte, Original, Brahma Extra e Brahma Duplo Malte. Sua coloração é dourada clara e limpa, intenção clara da cervejaria de dar destaque ao visual da cerveja, junto ao seu belo rótulo.

Teor alcoólico de 4,6% e um leve IBU de 18.

Também é comum encontrar a Coronita, uma versão mini da cerveja com 210ml mas que mantém as mesmas características, para quem quer beber pouco ou misturar em drinks por exemplo, algo bem comum em seu país de origem.

Por que tomar Corona com limão?

Se você nunca viu uma pessoa tomar uma longneck de Corona, certamente precisa de um óculos ou algo do tipo. 

Tomar corona com limão se tornou uma tradição da bebida, trata-se de colocar uma rodela de limão no bico da garrafa (para adicionar sabor e acidez extra), a experiência completa da Corona.

Corona com limão

Poucas pessoas sabem sobre a razão por trás dessa prática, mas existem duas versões muito contadas, por isso apresentarei as duas e basta você escolher qual delas pesquisar sobre e qual acreditar e contar para amigos.

  1. No México colocava-se uma rodela de limão na boca da garrafa para evitar que as moscas entrassem na cerveja, ajudando a proteger a bebida.
  2. Mais uma das ações da marca, inserindo o limão para dar a ideia de refrescância, principalmente uma vez que a cerveja é muito consumida em praias e épocas de calor.

Melhorias e progresso ao longo do tempo

Dez anos após seu lançamento, Corona Extra se tornou uma das cervejas mais vendidas do México, graças a suas estratégias de marketing exclusivas, agressivas e inovadoras. Em 1937, a empresa instigou esforços para comercializar o Corona Extra como um produto de excelente qualidade para se diferenciar de sua bebida rival no México chamada pulque, uma bebida alcoólica nativa feita a partir da seiva fermentada da planta agave — também utilizada na produção de tequilas.

Suas campanhas obtiveram sucesso, ao ponto que a bebida concorrente sofreu uma grande queda de popularidade e consumo no México. 

Ao longo dos anos, a Corona aumentou seu processamento e produção de cerveja, o que obviamente inclui técnicas avançadas de pasteurização e refrigeração e melhoria contínua em seu sabor. A abordagem de marketing intensivo da empresa fez da Corona a cerveja mexicana.

Logo os Estados Unidos perceberam a Corona e em 1979, o Grupo Modelo começou a exportar Corona para o país vizinho. A Corona Extra rapidamente se tornou tão popular nos Estados Unidos, representando praia, calor e churrasco. 

As ações de marketing e ativação de marca fizeram com que a Corona fosse associada à garrafas de cerveja transparente e também à bebida com rodelas de limão. Em 2009, a Corona começou a oferecer sua versão de cerveja light em lata e, desde então, expandiu seu mix de produtos.

A mais vendida na América do Norte

Em 1989, a Corona cruza novamente o território estadunidense para apresentar a Corona Light, uma cerveja com menos calorias que agora é uma das mais vendidas da marca. Em meados da década de 1990, a Corona emergiu como a cerveja importada mais vendida nos Estados Unidos, posição que ainda mantém até o presente.

Hoje a Corona é vendida em mais de 150 países, com os Estados Unidos ganhando a maior e mais importante fatia, além do México, é claro, e como toda gigante das bebidas, busca diversificar seu portfólio e sair um pouco da cerveja.

Se você procurar, encontrará outras versões da Corona, seja em garrafa, lata, ou até mesmo outras bebidas como a hard seltzer, febre nos Estados Unidos.

Algumas curiosidades sobre a Corona

  1. Dizer que a Corona tem gosto de “xixi” poderia ser uma piada de mau gosto, devido à sua coloração, ao teor leve da cerveja e corpo baixo. Mas na década de 1980 ocorreu um boato de que existiam garrafas sendo distribuídas com urina de verdade como uma brincadeira dos mexicanos, mas descobriu-se que distribuidores da Heineken foram responsáveis por espalhar o boato, que afetou as vendas da Corona na época.
  2. A bebida também vai muito bem em Margaritas, virada de cabeça para baixo no gelo para que a cerveja gelada goteje lentamente em sua bebida enquanto você bebe. Esse drink é chamado de Coronaritas. Pode pesquisar!
  3. A garrafa transparente destinada a mostrar a cor amarela ensolarada de Corona também é a maneira mais rápida de oxidar uma cerveja, deixando entrar luz e fazendo com que ela perca o sabor do lúpulo, bem como produz sabores estranhos. Ironicamente, isso acontece por causa do sol, homônimo de Corona.
  4. Apesar da Heineken ser associada a esportes, principalmente o futebol, é comum você ver a Corona patrocinando outros esportes, como lutas, a mais icônica foi o combate entre Mayweather x McGregor.
  5. Ela apareceu diversas vezes na franquia Velozes e Furiosos, sem patrocinar o filme, simplesmente pelo fato do personagem Dominic Toretto, interpretado por Vin Diesel, ser uma pessoa que provavelmente beberia uma Corona.

Espero que você tenha gostado do artigo, e não se esqueça de comentá-lo e nos seguir em nossas principais redes sociais, o Twitter e Instagram.

Compartilhe esse conteúdo:

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.