Cold crash cerveja

Cold crash: aprenda como fazer em 6 passos!

Você já se perguntou por que a cerveja que se dedicou tanto tempo para fazer não ficou clarificada (ou cristalina) o suficiente, deixando uma aparência estranha e diferente do que estamos acostumados?

No fim das contas, ela ficou com uma aparência “suja”, estranha e fora da cor esperada, não importando quantos artigos ou vídeos você viu pela internet.

A boa notícia do dia é que temos a solução para o seu dilema, e essa solução se chama cold crash.

O cold crash é de longe o caminho mais simples e rápido para a se ter uma cerveja cristalina e com um aspecto de respeito.

O processo é tão fácil que qualquer um pode fazê-lo com apenas alguns equipamentos, que se você chegou até aqui provavelmente já possui.

Em poucas palavras, a única coisa que você precisa fazer para clarificar sua cerveja é resfriá-la o mais rápido possível em uma temperatura próxima a 0º – 3º C, e o mais rápido possível.

O que é o cold crash?

O cold crash é basicamente o processo de redução rápida da temperatura da cerveja após o período da fermentação, garantindo que leveduras e proteínas se decantem e deixem a cerveja com um aspecto límpido.

A redução faz com que as leveduras utilizadas na fermentação (que estão mortas até esse ponto), as proteínas e outros sedimentos presentes na bebida afundem no fundo como trub.

Sem o cold crash, esses sedimentos permanecerão flutuando na cerveja, causando uma aparência nebulosa na sua cerveja.

Quando é utilizado?

Se engana quem pensa que o cold crash é utilizado somente no processo de fabricação de cerveja. Essa técnica também pode ser realizado em outras bebidas como vinho, cidra e hidromel.

Você também pode adicionar gelatina durante o processo para tornar sua bebida ainda mais clara, sendo um opcional.

“O resfriamento rápido de uma cerveja ou de outras bebidas, como vinho ou hidromel, incentiva o fermento a flocular (agrupar) e outras partículas como a proteína a coagular (solidificar). Quando as partículas se agrupam, a massa coletada ajuda a trazê-las para o fundo do barril fermentador, clarificando a cerveja. ”

– Neil McDonald, homebrewanswers.com

Quais são os benefícios?

O principal benefício obviamente se trata de ter uma melhoria de sua clareza e aparência no resultado final de sua cerveja. A diferença é bastante notável quando se compara uma cerveja que utilizou do processo de cold crash e uma bebida não processada.

Em segundo ponto ela ajuda muito no processo de trasfega.

Isso ocorre porque a maioria das partículas que de alguma forma entupiriam um sifão ou um tubo de imersão irão afundar. Um método especialmente eficaz para cervejas com dry-hopping, que de alguma maneira teriam uma quantidade considerável de lúpulo e outras partículas em suspensão.

Existem desvantagens?

Existem algumas desvantagens, principalmente:

Requer um controle de temperatura bastante preciso: você precisará abaixar a temperatura da cerveja para medidas próximas do congelamento, e de maneira rápida. Isso exigirá um refrigerador ou geladeira com controle de temperatura do termostato.

Prolonga o tempo que a cerveja precisa permanecer na câmara: o cold crash adicionará pelo menos dois a três dias ao processo de fermentação. E isso aumenta as chances de exposição ao oxigênio, ou seja, oxidação da cerveja.

Mas convenhamos que pela simplicidade do processo e o ganho ao realizar, as desvantagens são mínimas se você já possui os esquipamentos necessários.

Fazendo o cold crash em 6 passos!

1. Certificando os equipamentos

Barril fermentador na geladeira

Os único equipamento necessário para realizar o processo são o barril fermentador e um sistema de refrigeração, sendo um freezer ou geladeira com controle externo de temperatura.

Garanta que seu fermentador está sanitizado e que ele esteja seguro para ser fechado, sem rachaduras ou faltando partes como borrachas, pois não vamos querer que a cerveja fique com off-flavours.

Certifique-se de que o seu controlador digital de temperatura está funcionando para evitar que as temperaturas caiam na faixa de congelamento.

2. Verifique se a fermentação acabou

Enquanto a temperatura da cerveja estiver baixa, não haverá problemas porque as leveduras não estarão em atividades, mas no momento em que volta para temperatura de maturação, você terá um problema.

O fermento só continuará trabalhando enquanto a temperatura estiver dentro de um determinado intervalo, que varia de acordo com suas características.

Se a temperatura cair abaixo desse intervalo, o açúcar na fermentação não será mais convertido em álcool. Isso resultará em uma cerveja que não tem um sabor tão bom quanto deveria.

Além disso, compostos como o DMS podem permanecer na cerveja quando a fermentação parar. Estes compostos são tipicamente eliminados quando a fermentação está completa.

A melhor maneira de verificar o fim da fermentação é com o uso de um alguns esquipamentos importantes como airlock, densímetro e refratômetro para o cálculo de OF e FG da sua cerveja.

3. Colocando para gelar e definindo a temperatura

Fermentação

Coloque o balde com sua cerveja em uma geladeira ou freezer com um dispositivo externo de controle de temperatura.

Se você optar por realizar o processo em em um fermentador, lembre-se de que o ar pode ser aspirado de volta ao airlock devido à mudança de temperatura.

Isso não deve ser motivo de preocupação, pois provavelmente existe CO2 suficiente no fermentador para evitar a oxidação. Obviamente, você deve ter cuidado para não agitar demais o fermentador.

Defina a temperatura de forma que a cerveja desça rapidamente até próximo do congelamento mas sem entrar nesse estado.

Recomendasse utilizar a temperatura de 1ºC até 3ºC.

Lembre-se de manter sua cerveja nessa faixa de temperatura recomendada de dois a três dias.

4. Confira o resultado

Verifique se está claro depois dos dois ou três dias de temperatura baixa para ter certeza de que o resultado esperado foi alcançado.

O cold crash pode resultar em um fenômeno conhecido como “chill haze”, no qual a cerveja não é tão clara quanto deveria ser, mesmo após o processo. Quando isso acontece, você pode usar gelatinas para remover a turbidez e clarificar sua cerveja.

5. Realize a trasfega da cerveja (opicional)

Após o fim da fermentação e o sucesso do cold crash, a trasfega tem o objetivo de separar a cerveja clarificada do trub gerado, e mantê-la em um balde mais “limpo” para o processo de maturação.

O ponto negativo é que na troca a cerveja entra em contato com o oxigênio, acelerando o processo de oxidação da cerveja — o que pode gerar um off-flavour.

6. Carbonatação

Engarrafe sua cerveja normalmente e deixe-a descansar em uma temperatura ambiente para carbonatar e desfrutá-la em alguns dias!

O que aprendemos ao final do processo

Cold crashing é uma maneira bastante eficaz de melhorar a clareza, a cor e a aparência geral da sua cerveja.

Os resultados podem ser impressionantes e você pode até receber alguns comentários sobre como sua cerveja fica cristalina e bonita.

Talvez a melhor coisa cold crash é que ele pode ser feito com bastante facilidade, com apenas alguns equipamentos que provavelmente já você já possui, e se você deseja melhorar a aparência da sua cerveja de forma fácil e acessível, esta é a melhor maneira de se fazer isso.

Saúde!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

2 Comentários

    Não entendi o item “3: Transferindo para o fermentador
    Transfira sua cerveja para o balde fermentador e certifique-se de que ele esteja limpo e sem sedimentos, se você o tiver usado anteriormente para fermentação!”
    Na fermentação, a cerveja já está no balde fermentador… não é só baixar a temperatura para o cold crash? Trasfegar sem fazer o cold vai levar um monte de sedimentos para o outro balde…

      Bem pontuado Ricardo, foi uma confusão minha na hora de escrever, obrigado pela atenção.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.