cerveja e lúpulo

Cerveja IPA: tudo o que você precisa saber sobre a India Pale Ale

Com o mercado de cervejas crescendo no Brasil, palavras como “lúpulo”, “encorpada” e “frutada” estão cada vez mais na boca das pessoas. Porém, nem sempre se sabe o que esperar de cada estilo de cerveja e isso acaba gerando decepções e surpresas.

Claro, aqui também tem informações para você tirar aquela onda com seus amigos e passar a cultura cervejeira adiante.

Este é o primeiro capítulo desta série, e para começar nada melhor do que o estilo que faz a cabeça dos lupulomaníacos e é cada vez mais cultuado no Brasil. Com vocês, tudo que vocês precisam saber sobre IPA.

O que é a cerveja IPA?

IPA significa India Pale Ale. Então ele foi criado na Índia? Não! É um estilo criado na Inglaterra no século XVIII. É uma versão mais forte das Pale Ales, e o novo estilo fez sucesso na Índia, durante a colonização britânica.

São cervejas amargas devido a concentração de lúpulos, extremamente aromáticas, refrescantes e fáceis de beber. Sua cor deve ser de dourado a acobreado. Apresentam um teor alcoólico que tradicionalmente vai de 5,5 a 7,5%.

As cervejas do estilo IPA fazem um ótimo contraponto contra a grande indústria — que geralmente produzem bebidas neutras, extremamente leves, de cor estupidamente clara e com quase nada de amargor.

História da cerveja IPA

A história, ou lenda, é que os ingleses precisavam de cervejas com mais lúpulo e álcool para que ela aguentasse viagens mais longas. No auge do Império Britânico, a partir do fim do século XVIII, os ingleses tinham que abastecer suas colônias com cerveja, e a rota para a Índia era uma viagem que durava dias. É aí que entra o lúpulo, que é um conservante natural e bacteriostático, e aliado ao álcool,  ajudaria as cervejas a chegarem boas para serem consumidas na Índia, sem contaminação.

Podemos dizer que essa história é bem controversa, já que há relatos de que algumas Pale Ales e Porters já chegavam na Índia com êxito no início do século XVIII.

Fato é que o estilo surgiu na Inglaterra, como uma versão mais potente e amarga do que as pale ales, e fez sucesso no mercado indiano, e então foi chamada de India Pale Ale.

Esse estilo com o passar do tempo se tornou um coadjuvante. As cervejas “tipo pilsen”, as American Lagers, dominaram o mercado após a Segunda Guerra. Até que houve o renascimento da cerveja artesanal americana nos anos 1980. Com novos tipos de lúpulo locais e com a atitude de levar as cervejas ao extremo, as IPAs se tornaram a marca do movimento de cervejas artesanais nos EUA.

Então, a IPA foi o chute na porta das cervejas “claras e sem graça”.

O que esperar de uma cerveja IPA?

Lúpulo, é claro!

Precisa de mais informação? Ok, então vamos lá… é uma cerveja que tem esta linda e amada flor como destaque. Ela pode ser usada em diversas etapas da produção da cerveja, e dependendo do tempo dessa adição, ele vai trazer ou mais amargor, ou mais aroma.

Fato é que uma IPA deve ter um amargor marcante, com um equilíbrio puxando mais para o amargo mesmo, não se assuste. O corpo não pode ser muito alto e os sabores e aromas de caramelo, principalmente nas versões americanas, devem ser bem discretos.

Mais que amargor, o lúpulo aqui deve trazer uma explosão de aromas no copo. Muitas versões fazem a técnica de lupulagem chamada de  dry-hopping durante a produção, que adiciona ainda mais aroma dos lúpulos.

Nas versões americanas (American IPA), os aromas mais encontrados são os cítricos e frutados, que podem lembrar: maracujá, laranja, manga, grapefruit, além de notas resinosas e florais, dependendo do tipo de lúpulo que o cervejeiro utilizar. Na versão original, a English IPA, os lúpulos ingleses utilizados trazem notas mais herbais e terrosas.

Tipos de cerveja IPA

O estilo de cerveja IPA é muito replicado ao redor do mundo, o que rendeu variações famosas e bem populares, contabilizando ao todo cerca de 8 sub-tipos desse estilo, que contaremos um pouco sobre cada um logo abaixo.

American IPA

Se trata da versão mais popular da cerveja, mas podemos te dizer que ela também é subdividida em algumas ocasiões. Aqui no Brasil não ouvimos muito falar sobre isso, já nos Estados Unidos costuma-se ouvir que a American IPA se divide entre duas categorias: West Coast e East Coast, ou seja, típicas do oeste e do leste americano, respectivamente.

Nas West Coast IPA’s o protagonismo é todo dos lúpulos americanos, com notas frutadas, resinosas e cítricas. O malte é um mero coadjuvante. 

Já as East Coast IPA’s seriam uma intermediária entre as West Coast e as English IPA’s, com uma base maior de maltes no caso, e muitas vezes uma mistura de lúpulos ingleses e americanos.

cervejas american ipa

  • Recomendações: Guarnieri Cachorro Ovelheiro IPA, Three Monkeys Classic West Coast IPA e Eisenbahn American IPA.

English IPA

Esta é a forma como os ingleses fazem, a mais antiga e também a original do estilo.

Os lúpulos dessa versão são os típicos lúpulos ingleses, e trazem aromas terrosos e herbáceos, e algumas vezes um cítrico remetendo a laranja. Apesar do lúpulo ser protagonista, algumas versões possuem uma boa carga de maltes ingleses que trazem sabores de biscoito, toffee e caramelo, trazendo um certo equilíbrio. Tem um final seco e um intenso amargor.

  • Recomendações: Fuller’s India Pale Ale, Brooklyn East India Pale Ale, Prússia India Pale Ale.

New England IPA

A New England IPA, ou “NEIPA”, é a sensação para quem busca mais o aroma das IPA’s. Foi criada na costa leste dos EUA, a região de Vermont (Nova Inglaterra). Também chamada de Juicy IPA, é feita com múltiplos dry-hoppings, levando os aromas cítricos e de frutas tropicais ao extremo.

O amargor é médio a médio-alto (o protagonismo fica por conta do aroma mesmo), e tem um corpo aveludado, devido ao uso de aveia e trigo, que deixa essa cerveja não-filtrada com um aspecto claro e  turvo, e por isso também muitas vezes é chamada de Hazy IPA.

É álcoolica, assim como as American IPA’s, variando entre 6% a 9% abv, mas o seu corpo e aroma deixa essa sensação alcóolica imperceptível, tendo uma ótima drinkability.

  • Recomendações: Roleta Russa New England IPA, Everbrew Evermont, Brewdog OG Hazy, Dogma Absorption Juicy IPA.

Imperial IPA

Também chamada de Double IPA ou Double Pale Ale, é a versão mais potente da IPA, portanto se você não é lá fã do estilo, é melhor se afastar. Seu amargor é ainda mais acentuado, com doses exageradas de lúpulo e teor alcoólico elevado, realmente recomendado para quem quer algo bem extremo.

Curiosamente o seu teor alcoólico pode chegar em altos valores como 9%, 10% ou até 13%, um número que nós não estamos muito acostumados no Brasil, não é? E também por precisar equilibrar o malte com uma alta quantidade de lúpulo, a sua cor é um pouco mais escura do que uma IPA “normal”.

cervejas imperial ipa
  • Recomendações: Hop Bullet Sierra Nevada, Roleta Russa Imperial IPA e Bodebrown Perigosa.

Session IPA

Ao contrário da Imperial, a Session IPA aposta em baixo teor alcoólico sem perder as características lupuladas, são cervejas desenhadas para serem bebidas em maior quantidade e seu teor alcoólico beira os 5%.

Uma característica é que são feitas para obter o máximo de aroma com o mínimo de amargor no processo, por isso dizem que ela foi feita para ser tomada em uma quantidade considerável e não ficar tão bêbado como se ficaria tomando qualquer outro tipo de IPA.

cervejas session ipa
  • Recomendações: Wals Session Citra, Goose Island Midway e Lohn Bier Session IPA.

Belgian IPA

Se caracteriza por ser uma cerveja híbrida, criada por americanos que utilizaram parte do padrão belga na produção da cerveja. É um estilo teoricamente novo se comparado aos outros e tem sua base nos estilos belgas (pois foi criada com a utilização da levedura belga) mas com mais amargor e aroma, utilizando muitas vezes até lúpulos americanos, que não aparecem nas receitas tradicionais belgas – curioso, não?

Sua coloração é variada, podendo ser mais clara, tendendo para o dourado ou até cobre-claro, e o sabor predominante é caracterizado pelas leveduras belgas.

cervejas belgian ipas
  • Recomendações: Les 4 Surfeurs de L’Apocalypso, Delirium Argentum e Leuven Belgan IPA Dragon.

Black IPA

Também conhecida como India Black Ale são IPAs de características escuras com o seu malte tostado, dando uma característica de coloração que poucas cervejas do estilo têm.

Geralmente notas que remetem a chocolate, café, caramelo podem aparecer na cerveja, mas se engana quem acha que irá encontrar menos amargor nela por isso. Os aromas dos lúpulos americanos são presentes com notas cítricas e frutadas.

cervejas black ipa
  • Recomendações: 2cabeças Hi5, Roleta Russa American Black IPA e Invicta Black Cat

Red IPA

Menos comum no mercado brasileiro, a Red IPA apresenta características únicas, pois apresentam a coloração rubi, já que são utilizados maltes de uma American Amber Ale, trazendo notas de caramelo e toffee, e mantém o amargor conhecido de uma IPA, além de notas dos aromas cítricos e frutados, típicos dos lúpulos americanos.

Apesar do sabor caramelado, é uma cerveja que tem o final seco.

cervejas red ipa
  • Recomendações: Shipyard Red IPA, Hop Head Had, Titobier Marx Red IPA.

White IPA

Pode ser encontrado também pelo nome de Wit IPA. Esse estilo se caracteriza por ter a base de uma Witbier  e com a devida adição de lúpulo que é característica das cervejas IPAs. São cervejas mais claras são notados elementos como laranja e coentro no aroma, deixando o lúpulo pouco reconhecível, ou com aromas mais cítricos. Seu teor alcoólico varia entre 5,5% – 7%.

Foi reconhecida pela guia de estilos 2015 da Beer Judge Certification Program (BJCP), por isso se trata de um estilo muito recente no mundo das cervejas e ainda com poucos rótulos à disposição.

cervejas white ipa
  • Recomendações: Sierra Nevada Snow White IPA, Titobier Ada Wit IPA e Three Monkeys Wit IPA.

Sour IPA

Umas das mais novas sensações no mundo das IPA’s são as cervejas que mesclam o amargor com a acidez das Sours. Para acidificar a cerveja, geralmente o cervejeiro conta com, além das leveduras, outros microorganismos durante a fermentação, como Lactobacillus e/ou Brettanomyces.

O resultado são cervejas com um perfil interessante, aromáticas, frutadas, e com um amargor e acidez em equilíbrio. São geralmente muito secas, e bem carbonatadas com um perfil frisante. Algumas versões apresentam adições de frutas que complementam os aromas dessa cerveja de alta drinkability.

  • Recomendações: Lohn Bier Sour IPA, Everbrew Passionate II, Dogma Mind Flows.

Brut IPA

Um dos subestilos de IPA mais novos, essa versão foi criada como um contraponto dos cervejeiros da Califórnia (costa oeste), às versões da New England IPA’s (costa leste). Ao invés de um corpo alto, e aveludado, as Brut IPA’s são extremamente leves e secas. A grande sacada dos cervejeiros aqui é adicionar uma enzima durante a produção para que não sobre nenhum açúcar residual, ou seja, todo o açúcar do mosto cervejeiro é convertido em álcool.

Então as Brut IPA se caracterizam por ser cervejas leves, extremamente refrescantes e secas, bem aromáticas, sem deixar o amargor de lado. E além disso, são bem carbonatadas, remetendo a um espumante. Ficam elegantes quando servidas em taças de champagne.

  • Recomendações: Bodebrown Brut IPA, Japas Cervejeiras Shiso Brut IPA, Prússia Bier De Boa na Lagoa.

Podemos perceber que com o passar do tempo a cerveja IPA se tornou um adjetivo para uma cerveja com amargor marcante e muito aroma e assim foram surgindo várias variações de seu tipo, tornando um dos estilos mais consumidos do mundo.

Podemos perceber que com o passar do tempo a cerveja IPA se tornou um adjetivo para uma cerveja com amargor marcante e muito aroma e assim foram surgindo várias variações de seu tipo, tornando um dos estilos mais consumidos do mundo.

Dicionário dos lupulomaníacos

Para degustar e entender melhor desse estilo de cerveja, é importante ter alguns conceitos bem claros:

  • Lúpulo: flor desta planta mágica, que vai dar amargor e aroma para estas cervejas.
  • IBU: é a unidade de amargor de uma cerveja. Em linhas gerais, quanto mais alto, mais amargor a cerveja carrega.
  • Simcoe, Citra, Amarillo, Cascade, Centennial, Columbus: esses são alguns dos lúpulos americanos mais famosos e usados nas cervejas IPAs e cada um dá uma tipo de aroma próprio.
  • Dry Hopping: é a adição de lúpulo na fase de maturação ou fermentação da cerveja, acrescentando mais aroma e frescor à cerveja, sem aumentar o amargor – uma técnica muito usada para este estilo.
Este é lúpulo, o protagonista de uma verdadeira IPA
Esta é a flor do lúpulo, o grande protagonista de uma verdadeira IPA

 

Definições erradas do estilo IPA

“Eca, muito amarga” – se o amargor te incomoda muito, talvez você ainda não esteja preparado(a) para ela. portanto… pede para sair! E  não adianta ir lá e dar nota baixa no Untappd ou no Brejas por que achou amarga demais, viu? Agora você já sabe que isso não é defeito.

“Tem fruta, né?” – os aromas das IPAs vem do lúpulo, e parecem fruta mesmo. Mas não é! A não ser, claro, exceções que levam frutas ou outros aditivos, mas neste caso, tecnicamente, estão fora do estilo IPA pelos guias.

“Bem encorpada!” – uma IPA fiel ao estilo não é encorpada, é amarga e tem um frescor de lúpulo intenso pois essa potência de sabores e aromas não significa corpo, mas representa amor líquido.

Cervejarias nacionais que produzem cervejas IPA

Hoje, praticamente todas as cervejarias nacionais produzem as IPA’s e seus subestilos, já que a IPA ganhou o gosto dos brasileiros. Cervejarias facilmente encontradas nos mercados como Colorado, Way Beer, Krug Bier, Invicta, Tupiniquim, Wals, Lohn Bier, tem suas próprias versões que valem a pena experimentar. A vantagem de se tomar uma IPA nacional, é que você vai tomar uma cerveja fresca, e isso faz toda diferença quando o assunto é lúpulo, já que o tempo, longos transportes e altas temperaturas levam à oxidação dos seus compostos aromáticos e de amargor.

Algumas cervejarias aqui se especializaram nas IPA’s e fazem cervejas de alta qualidade, com alta variedade de estilos, lúpulos utilizados e técnicas de lupulagem, que irão agradar os lupulomaníacos mais exigentes. Alguns exemplos:

Cervejas IPA importadas

Aqui temos algumas cervejas IPA’s importadas também. Algumas cervejarias internacionais que produzem IPA’s e são facilmente encontradas no Brasil:

  • Brewdog;
  • Sierra Nevada Brewing Co;
  • Firestone Walker;
  • New Belgium;
  • Goose Island;
  • Lagunitas;
  • Brooklyn Brewery;
  • Anchor Brewing.

Gostou do nosso guia sobre o estilo IPA? Assine nossa newsletter e receba novos conteúdos sobre o universo da cerveja diretamente na sua caixa de entrada 😉

👇 Gostou do conteúdo? Compartilhe o conhecimento!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

49 Comentários

  1. Bem legal, espero mais posts da série!
    Dúvida: posso falar IPA ou tenho que falar AI-PÍ-EI?
    Sempre fico constrangido quando vou numa loja de cervejas e e perguntam o que quero…os estilos são na maioria grafados em inglês, alemão, etc, e a pronúncia de cada estilo é um parto de ouriço…
    Boa sugestão de post, hein: pronúncia dos estilos!
    Abraço e continuem o ótimo trabalho!
    😀

    1. Basílio,

      Eu sempre falo IPA mesmo, e quase não vejo ninguém falando Ai-Pí-Ei. Assim, só no estrangeiro 🙂

      1. Solo quando sair pra um pais de fala inglesa você tem que falar AI PI EI!
        Adoro lupulo!!

      2. Foi Lançada hoje em Maringá, pela cervejaria Araucaria a primeira agua lupulada H2OP. Vale a pena dar uma olhada no site deles. http://www.cervejariaaraucaria.com.br

      3. Sim, mesmo porque Maracujipa e o carro Kombipa da Bode são baseados nessa pronúncia, creio.

    2. Eu só falo IPA 🙂

  2. Muito esclarecedor, parabéns pelo post.

  3. Sou novo no mundo cervejeiro esenti falta de uma informacao.
    Qual o copo ideal pra apreciar uma IPA ??

    1. Valmor, o copo ideal pra se degustar uma IPA depende de qual tipo de IPA você está tomando, mas, no geral, pode-se tomar em um caldereta (http://www.elementar.com.br/Imagens/produtos/98/17498/17498_Ampliada.jpg), em um pint, que pode ser inglês (568ml) ou americano (473ml) (http://lupulento.com.br/wp-content/uploads/2014/05/pint.jpg) ou numa taça neutra (http://i.mlcdn.com.br/1500×1500/taca-para-cervejabrinox-viena-204541000.jpg)

  4. Cara, adorei! Comecei a pouco tempo estudar sobre cerveja e seu post me ajudou bastante. Anteriormente eu já queria tomar uma Punk IPA, mas agr eu quero urgentemente, hahaha. Abraços!

  5. muito legal, quero muito começar a fazer e gostaria de saber quais as marcas dos produtos que preciso p produzir essa cerveja e onde eu encontro
    Valeu

  6. Muito bom mesmo…adorei, muito bem detalhado…

    Abraço
    Edu

    http://www.vinhobr.com.br/

  7. Muito legal o artigo.
    Só uma pequena ressalva com relação ao trecho “Existem dezenas de espécies de lúpulo”.
    Na verdade o lúpulo é uma espécie (Humulus lupulus L.), portanto, é uma espécie só… o que há é dezenas (na realidade, centenas) de variedades de (da espécie) lúpulo.
    Cabe ressaltar que no Brasil chamamos essas variedade de “cultivares” (variedades cultivadas)… sendo assim, existem centenas de cultivares de lúpulo, cada uma com características próprias.
    Quem quiser conhecer sobre a características que distinguiriam essas cultivares sugiro acessar : http://www.upov.int/edocs/tgdocs/en/tg227.pdf
    Abc

  8. Eu sempre falo IPA mas, na dúvida, falar India Pale Ale não tem erro… 😉

  9. Exite a denominacao EPA e APA ?

    1. EPA são as English Pale Ale e APA são as American Pale Ale. Geralmente essas duas são menos amargas e mais maltadas que as IPA

  10. Muito bom a ajuda de vocês, estou começando agora meus estudos sobre cerveja e estou gostando demais. Hoje aprendi sobre IPA,EPA e APA. Parabéns a todos cervejeiros de bom gosto.

  11. Bem legal e esclarecedor a postagem! Obrigado

  12. Muito bom o post. Bem explicativo.

  13. Excelente. Aprendi muito. Sou apreciador dessas IPA. Pretendo conhecer e degustar mais.

  14. Parabéns muito bem explicado!! Adorei.

  15. Tambem gostei do conteudo …. muito bom as exemplificaçoes e variaçoes da IPA pelos lupulos e Ibu
    curti tambem o forma dry holping …nao sabia direito como era ,agora ja tou ligado
    nosssa a explicaçao dos lupulos exemplificados sendo jogados no malte no processo de clarificaçao foda ….
    sou auxiliar cervejeiro tou aprendendo …..

  16. ESPETACULAR A DIDATICA E DEFINIÇÕES.
    GOSTARIA DE RECEBER MAIS POSTS COMO ESSE

  17. Eu fiz uma American IPA, de uma receita do BS e usei o fermento wlp 007. Entretanto, o fermento ficou muito tempo no correio(mais que o esperado) e acredito que possa ter morrido muitas células. Resultado, fiz a IPA ontem, dei starter na levedura e tudo mais, entretanto não mostra sinais de fermentação. Não consigo comprar outro fermento a tempo, logo, se não fermentar até hoje a noite vou inserir a levedura que tenho aqui, uma US-05 que não tem nada a ver com a IPA pelo jeito. Qual será o resultado? Além de que a OG que deveria ter ficado em 1064 ficou em 1052. Tenso. Qual será o resultado disso? Abraços

  18. Bom dia, uma dúvida. O álcool presente nas cervejas é produzido no processo de fabricação ou é adicionado no final? É que vejo algumas sem ele e fico com essa dúvida.

    1. O álcool vem do processo de fermentação do açúcar extraído dos cereais.

  19. Olá, existem cervejarias com variedades dos tipos APA e American IPA. Eu achava que era uma coisa só, mas ao ver os dois estilos diferentes produzidos pela mesma marca, fiquei confuso. Qual a diferença entre American IPA e APA?

  20. Qual o IBU mínimo e máximo para uma IPA?

    1. Só sei dizer que montei um kit de presente de cervejas IPA da roleta russa e agora não quero dar de jeito nenhum!

      O conteúdo é bem informativo, parabéns!

  21. Muito bom o conteúdo e ótimas sugestões

Os comentários estão fechados.