Degustação

Cerveja Singha: conheça o leão dourado Tailandês

Cerveja Singha
Escrito por Rodolfo Rosenthal
SEGUIR NO INSTAGRAMPowered by Rock Convert

Bem-vindos, cervejeiros e cervejeiras, a mais um post.

Essa semana me deparei com a seguinte pergunta no Blog: cerveja asiática é boa?

Já escrevemos por aqui antes sobre as cervejas japonesas, mas também existem outros produtores no Japão como a China — o país que mais produz cerveja no mundo com 50 bilhões de litros e a Tailândia.

Hoje tive a oportunidade de experimentar um leão dourado Tailandês, a cerveja Singha, então acompanhe esse post até o final para ficar por dentro da cultura cervejeira tailandesa.

História da cervejaria Boon Rawd

Praya Bhirom Bhakdi, aos seus 57 anos, fundou a cervejaria Boon Rawd, em maio de 1933. Depois de experimentar vários rótulos de cerveja ao longo da vida, ele desejou fazer cervejas, competitivas e de qualidade, na Tailândia.

Então, teve início a construção da cervejaria Boon Rawd, que foi visitada pelo rei Prajadhipok duas vezes. Um ano depois, teve início a produção de três cervejas: Golden Kite, Singha e Stupa.

Uma licença real foi concedida exclusivamente a cervejaria em 25 de outubro de 1939 permitindo que a Boon Rowd seja a única a poder exibir em seus rótulos a Garuda real (um pássaro lendário da mitologia hindu, budista e jainista), símbolo da Tailândia, e o Singha (um poderoso leão mitológico encontrado na mitologia do Sul da Ásia e Tailândia).

Em 1941, 60% do mercado de cervejas da Tailândia já pertencia a Boon Rawd, o sucesso foi arrebatador. Em 1970, Boon Rawd começou a exportar a Singha.

Em 2010 a poderosa marca Singha se torna parceira do Manchester United Football Club e Chelsea Football Club, tendo visibilidade no mundo todo.

Singha e Manchester United

Características gerais

Aos 85 anos, a Singha se trata de uma cerveja Lager do estilo Premium American Lager. É uma cerveja puro malte com graduação alcoólica de 5%. Na gravata da garrafa podemos ver a Garuda real e no rótulo principal o imponente e intimidador leão Singha.

A rotulagem da cerveja é bem clean e convidativa. Uma temperatura bacana para se consumir essa breja é próximo dos 5ºC.

Análise sensorial

Visão

Aos olhos é uma cerveja dourada e muito límpida e translúcida.

Sua cor lembra a cor do leão estampado no rótulo. No momento de servir, existe a formação de uma espuma branca, com bolhas pequenas, cremosa e volumosa, mas pouco persistente.

É possível ver a efervescência da cerveja pelo desprendimento de bolhas de gás carbônico do fundo do copo, dando um sinal de boa carbonatação.

Odor

Ao nariz a cerveja se mostrou neutra, sem cheiro de malte, lúpulo ou compostos da fermentação. Odor muito discreto e fiel ao estilo.

Sabor, corpo e aroma

Na boca a textura da cerveja é leve, de médio a baixo corpo. A carbonatação é impecável. A cerveja é muito refrescante e tem alta drinkability. Seu amargor é bem suave, sutil e equilibrado.

O malte proporciona um leve dulçor a bebida, o que remete a notas de biscoito, panificação e caramelo. Na boca é possível perceber um aroma com notas florais e herbais bem discretas do lúpulo.

Considerações finais

A Singha é uma cerveja muito bem-feita, de qualidade excepcional. Sua leveza e refrescância permitem que ela seja tomada em grandes quantidades, principalmente naquele churrascão de domingo de sol. Pode ser harmonizada também com pratos leves como comidas orientais.


Esse texto foi feito com a cerveja fornecida pelos nossos parceiros do The Beer Planet Club, o clube de cervejas especiais por assinatura mais completo do Brasil. Quer saber mais? Acesse o site do clube e tire suas dúvidas!

Sobre o Autor

Rodolfo Rosenthal

Graduando em Eng. de Alimentos e produtor de cerveja artesanal. Realizo pesquisas na área de microbiologia aplicada a leveduras cervejeiras e automação aplicada a microcervejarias.

Comentar