Cervejas Caseiras

08.11.2011

Como fazer a receita de Brown Ale

Categoria: Cervejas Caseiras, Receitas

Este estilo inglês data de muitos séculos atrás, quando se secava o malte de fogueira e por isso não existia cerveja clara, pois o grão ficava sempre ligeiramente torrado. Porém, assim como o estilo Porter, o Brown Ale foi deixado de lado na era mais recente da produção cervejeiro, tendo renascido nos Estados Unidos na últimas décadas. Assim, tem-se dois subestilos: o americano e o inglês.

 

Como fazer a versão inglesa:

 

Primeiro, vamos falar do inglês, o mais antigo. Segundo o BJCP, sua OG deve estar entre 1033 e 1052, chegando a 30 IBU e de 12 a 35 SRM. Assim, esta cerveja pode ter a coloração marrom claro chegando até a quase preta, com um amargor de leve a moderado. Trata-se de uma cerveja leve. Para formular a receita, recomenda-se, além do malte base, a utilização de malte caramelo/crystal entre 10 e 15% e malte chocolate, cerca de 3%. Deve-se evitar maltes muito extremos na torreifação, como Carafa III, para que a cerveja não fica adstringente por conta deste torrado e perca o característico sabor de caramelo, castanhas, toffee, podendo ter um sabor abiscoitado ou de café. Uma brassagem na casa dos 67 graus é recomendada para este estilo.

 

A lupulagem é com os ingleses, naturalmente, como: fuggles e a família goldings, entre outros. Além do amargor, algumas cervejarias inglesas optar por aroma, colocando-o também no final da fervura. Fermentos ingleses também são indicados para esta cerveja, deixando um toque mais frutado. Para uma cerveja mais “limpa”, cepas americanas tem melhor resultado. A versão comercial mais comum de ser encontrada no Brasil é a Newcastle.

 

Como fazer a versão americana:

 

É preciso falar a chave para este estilo? Claro, uma utilização diferente de lúpulos, pesando a mão em todas as etapas. Assim, a versão do outro lado do Atlântico tem a OG máxima em 1060, com o mesmo limite de coloração. A brassagem deve ser semelhante à inglesa, porém podendo-se buscar patamares mais altos. É na fervura, porém, que a coisa muda de figura.

 

Lúpulos cítricos, principalmente o Cascade, são amplamente utilizadas, com o amargor podendo chegar a 40 IBU. Lupulagem buscando sabor, nas casa dos 20 minutos finais da fervura, são opcionais. Porém, para aroma eles são característicos deste estilo. Pode-se usar tanto nos minutos finais da fervura como em dry-hopping. A Brooklyn Brown Ale, por exemplo, recebe dry hopping de Cascade e Willamette. Mas calma, lupulomaníacos. Muita calma e parcimônica na quantidade, pois o exagero no aroma e sabor de lúpulo vão tirar o caracterísco sabor da cerveja.

 

Portanto, mãos a obra para produzir sua receita de Brown Ale. Trata-se de uma cerveja leve, saborosa, e com muita história para contar.

 

Deixe uma resposta

Twitter Facebook Youtube Feed Favoritos